Publicidade

X

Capital

Covas quer expulsar camelôs do centro e de estádios

Prefeito pretende turbinar fiscalização para retirar vendedores ambulantes do centro e de arredores de megaeventos

Bruno Hoffmann

Publicado em 23/04/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

De olho na campanha eleitoral em 2020, o prefeito Bruno Covas trabalha para deixar uma marca / /THIAGO NEME/GAZETA DE S. PAULO

Em uma briga perdida por muitos prefeitos que o antecederam, Bruno Covas (PSDB) pretende turbinar as equipes de fiscalização para expulsar vendedores ambulantes do centro e de arredores de megaeventos na cidade de
São Paulo.

De olho na campanha eleitoral em 2020, o prefeito trabalha para deixar uma marca. Na busca da imagem de zelador, vai além das ações de tapa-buracos e busca também medidas de organização urbana, como fiscalização de camelôs e pirataria, que perderam força desde a gestão de Gilberto Kassab (PSD).

O cerco aos camelôs foi oficializado na revisão do plano de metas, divulgada neste mês. Covas planeja contratar mil pessoas para engrossar as fileiras do chamado "rapa" - equipes de fiscalização que costumam ter dez pessoas, entre encarregados, ajudantes e motoristas, além do apoio de policiais militares e de guardas civis.

Segundo o plano metas, nos últimos anos havia apenas 15 equipes voltadas exclusivamente a fiscalizar ambulantes em São Paulo.

As áreas de atuação definidas para os fiscais são centro histórico, Brás, zona cerealista, avenida Paulista e arredores de jogos de futebol e grandes shows musicais. Em alguns pontos, a presença de vendedores é tão intensa que afeta o trânsito e chega a causar atropelamentos.

"Não adianta fazer esforço de melhoria das calçadas e a gente não conseguir melhorar o tráfego por elas", afirmou o secretário municipal das Subprefeituras, Alexandre Modonezi.

"Onde é possível ter comércio, tudo bem. Mas a prioridade da calçada é o pedestre. Temos uma população cada vez mais idosa e a gente tem que ter um olhar para isso", explicou o secretário.

De acordo com Modonezi, na avenida Paulista, onde os pedestres têm de desviar de um mar de esteiras com produtos, artesãos e artistas de rua continuarão na via. No entanto, a ordem é apreender as mercadorias de camelôs, como os que lotam a Paulista aos domingos com isopores cheios de cerveja. (FP)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

VIAGENS E PREPARATIVOS

Veja 9 países onde o brasileiro não precisa de passaporte

Pessoas portadora do RG (Registro Geral) podem usar ele para entrar em países sem a necessidade do passaporte; confira lista

ÁGUA NA BOCA

Não sabe qual sobremesa fazer na Páscoa? confira 4 receitas fáceis de fazer

Cozinheiro deu 4 dicas de receitas de sobremesas para fazer no domingo de Páscoa; confira nesta reportagem da Gazeta

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter