Publicidade

X

Capital

Prefeitura fecha patrocínio para Carnaval de rua

A empresa Arosuco, que pertence ao grupo Ambev, venceu a licitação ao apresentar o valor de R$ 16,1 milhões

Bruno Hoffmann

Publicado em 07/02/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

A cidade espera reunir 5 milhões de pessoas no período de três semanas de festas; cerca de 600 blocos foram cadastrados / /Danilo Fernandes/Brazil Photo Press/Folhapress

Em segunda tentativa para atrair interessados na licitação do Carnaval de rua de São Paulo, a prefeitura fechou o contrato de patrocínio em
R$ 16,1 milhões com a empresa Arosuco na manhã desta quarta-feira.

A empresa que pertence ao grupo Ambev venceu a segunda rodada da licitação lançada em dezembro e será responsável por captar recursos e gerir a infraestrutura dos desfiles de blocos de rua que têm previsão recorde de público. A gestão do prefeito Bruno Covas (PSDB) espera reunir 5 milhões de pessoas no período de três semanas de festas. Cerca de 600 blocos foram cadastrados.

A prefeitura abaixou o valor da licitação após nenhuma empresa interessada ter aparecido na primeira rodada de negociações na semana passada. O lance mínimo tinha sido fixado em R$ 19,5 milhões. No segundo certame, o valor foi abaixado para R$ 15 milhões e acabou vencedora a Arosuco que apresentou orçamento de R$ 16,1 milhões.

Diante da falta de interessados na primeira licitação, o prefeito disse em entrevista à "Folha" que considerava usar dinheiro público para realizar o Carnaval de rua na cidade.

Diante de uma festa cada vez maior e mais cara, organizadores de blocos têm relatado dificuldades em atrair patrocínio de forma individual. Alguns afirmaram terem cancelado atrações devido à falta de dinheiro.

No ano passado, a empresa vencedora da licitação do Carnaval de rua, a Dream Factory, enfrentou uma série de problemas. Auditoria do TCM (Tribunal de Contas de São Paulo) apontou ao menos três irregularidades no contrato firmado entre a prefeitura e a empresa, vencedora da concorrência para gerir o patrocínio de R$ 15 milhões.

A empresa teve que responder criminalmente pela morte de uma estudante de 22 anos que foi eletrocutado ao se apoiar em um poste de sinalização de pedestres na rua da Consolação durante o bloco Acadêmicos do Baixo Augusta. No poste, estavam instaladas câmeras de segurança de empresa terceirizada pela Dream Factory. (FP)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

VIAGENS E PREPARATIVOS

Veja 9 países onde o brasileiro não precisa de passaporte

Pessoas portadora do RG (Registro Geral) podem usar ele para entrar em países sem a necessidade do passaporte; confira lista

ÁGUA NA BOCA

Não sabe qual sobremesa fazer na Páscoa? confira 4 receitas fáceis de fazer

Cozinheiro deu 4 dicas de receitas de sobremesas para fazer no domingo de Páscoa; confira nesta reportagem da Gazeta

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter