últimas notícias
Eduardo Suplicy é vereador em São Paulo pelo PT
Eduardo Suplicy é vereador em São Paulo pelo PT
Foto: Ricardo Stuckert/Fotos Públicas

Bruno Covas ‘topa’ apelo de Suplicy e pede que renda básica seja colocada em pauta

'Eu topo, Suplicy. Topa colocar na pauta, Eduardo Tuma?', perguntou o prefeito, marcando o perfil de Eduardo Tuma, presidente da Câmara Municipal de São Paulo

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), respondeu a um tuíte do vereador Eduardo Suplicy (PT), em que o petista fazia “um apelo” para que a Câmara Municipal votasse o projeto de lei que cria a Renda Básica Emergencial Municipal, destinada aos beneficiários do Bolsa Família e aos trabalhadores ambulantes da Capital.

“Eu topo, Suplicy. Topa colocar na pauta, Eduardo Tuma?”, perguntou o prefeito, marcando o perfil de Eduardo Tuma (PSDB), presidente da Câmara Municipal de São Paulo.

Leia mais:

Suplicy tenta aprovar renda básica emergencial em São Paulo

Uma hora e 13 minutos depois, Tuma respondeu ao tuíte do prefeito. “Eu topo, Bruno Covas. Estará na pauta semana que vem”.

A criação de um auxílio emergencial é um apelo de parte da oposição desde o início da crise da Covid-19, para amenizar o impacto econômico entre a população mais pobre da Capital. O vereador Toninho Vespoli (PSOL) criticou a medida ter sido anunciada neste momento, a um mês das eleições municipais na Capital.

“Mas é muita canalhice, né? Há meses debatemos e pressionamos a criação de uma renda emergencial paulistana e você e sua base não estavam nem aí. Agora as vésperas da eleição vem bater bola com vereador de oposição pra chamar atenção. Sua cara de pau não tem limites, Bruno?”, disse o vereador.

O projeto de lei 207/2020, aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara em junho, prevê R$ 100 mensais por indivíduo das famílias de beneficiários do Bolsa Família e trabalhadores ambulantes na Capital durante o período de pandemia. Questionado pela Gazeta em junho como via outras forças políticas passarem a defender a ideia da renda básica, Suplicy respondeu: “É esplêndido”. Depois, leu, entusiasmado, um trecho de um livro de Fernando Henrique Cardoso, em que o ex-presidente também elogia a proposta.

Comentários

Tops da Gazeta