últimas notícias
Piscine Station, localizado no bairro do Brás, foi o primeiro projeto com pista de skate da Gamaro Incorporadora
Piscine Station, localizado no bairro do Brás, foi o primeiro projeto com pista de skate da Gamaro Incorporadora
Foto: Ettore Chiereguini/Gazeta de S.Paulo

Depois das Olímpiadas, skate vira tendência em condomínios

Empresa especializada em construção de pista revela que demanda por orçamento aumentou 200% após medalhas de atletas brasileiros

A primeira participação de Rayssa Leal, 13 anos, nos Jogos Olímpicos de Tóquio rendeu à skatista uma medalha de prata na categoria Street e 6 milhões de seguidores no Instagram. Mas “Fadinha”, como é conhecida, não foi a única beneficiada com a estreia do esporte nas Olímpiadas, na esteira do sucesso da esportista e de Kelvin Hoefler e Pedro Barros, ambos também medalhistas de prata, o skate virou moda e chegou até aos condomínios.

“Quando a modalidade virou esporte olímpico, lá em 2016, já notamos um aumento na demanda e uma mudança no perfil dos contratos. Antes, normalmente, eram pistas menores, mini ramp. Depois, passou a ter uma busca maior por projetos mais complexos. Com o sucesso nas Olímpiadas, a procura estourou e até tivemos que reforçar nossa equipe”, conta Edson Tuffi Junior, proprietário da Skate Center, empresa especializada em construção de pistas.

Segundo o empresário, desde julho, a busca por orçamentos aumentou 200% e o interesse não é só de empreendimentos localizados na Capital, mas em todo o Estado. “Já fizemos pistas em Mairiporã, Jundiaí, Atibaia, Maresias e não são apenas os condomínios e as construtoras que nos procuram, mas também muita gente que quer ter uma pista em casa.”

Macaque in the trees
Uma das pistas em condomínios feita pela Skate Center, que viu a busca por orçamentos aumentar depois das Olímpiadas - Divulgação/Skate Center

Perfil
Condomínios com muitos jovens e crianças são os que mais procuram empresas como a de Tuffi Junior para a implantação de pistas, visto que sem um espaço adequado para a prática do esporte, os pequenos moradores andam nas quadras ou mesmo em áreas comuns, que não possuem piso apropriado para a prática e são mais propensos a acidentes.

Entretanto, na opinião da arquiteta Maria Carolina Pierini, da Gamaro Incorporadora, as pistas devem se tornar cada vez mais comuns nos empreendimentos imobiliários, a exemplo das quadras de beach tennis, futevôlei e das áreas de coworking. “Acredito que as pistas de skate devem virar tendência. Elas devem começar a surgir em outros empreendimentos para que além dos espaços públicos os skatistas possam treinar em casa”, ressalta.

Leia Mais

Pandemia transforma salões de festas em coworking

Buscas por imóveis no interior cresceram mais de 200% em 2020

Em outubro do ano passado, a incorporadora entregou seu primeiro projeto contendo uma pista de skate, o Piscine Station, localizado no bairro do Brás, em São Paulo. Projetado pelo arquiteto George Rotatori, a pista é do modelo “snake”, que começa com uma altura flat e vai até cerca de dois metros, possibilitando o uso de iniciantes a profissionais, de todas as idades.

No fim de 2022, a empresa entrega um novo empreendimento com pista.

Macaque in the trees
A adoção de uma pista de skate ajudou na recuperação do Surf Base Hostel, após a crise provocada pela pandemia - Divulgação/Surf Base Hostel

Esperança sobre rodinhas
O skate não é apenas a aposta de condomínios para agradar as novas gerações, ele também foi a saída de muitos negócios para escapar da crise. Este é o caso, por exemplo, de José Luiz Parreira, 31 anos, proprietário do Surf Base Hostel, em Ubatuba.

Pereira montou o hostel em novembro de 2019, o negócio ia bem, mas, por conta da pandemia do novo coronavírus, ele foi obrigado a fechar as portas em março de 2020. “No meio dessa loucura toda, com as portas fechadas, comentei com um amigo francês que tinha a vontade de colocar uma pista de skate no hostel. Este amigo me disse que isso poderia ser a salvação do meu negócio e resolveu investir na pista. Quando reabrimos, em julho, já com a pista de skate, percebi que as pessoas começaram a vir por conta da pista e com o boom do esporte no cenário nacional, eu vi a necessidade de instalar outra pista”, conta o empresário.

O novo projeto será implementado pela Skate Center em um espaço de 2 mil m² que, atualmente, estão ociosos no hostel. A pista deve ficar pronta até o final do ano e Pereira espera receber turistas de todo Brasil, além de implantar um projeto social. “Espero revelar novos atletas (...). Dar uma alternativa para as crianças para além do futebol.”

O que Pereira espera obter no futuro, Hélio William Gorga, o Mad, já consegue na atualidade. Isso porque ele coordena o Projeto Futuro do Skate, uma escola de skate gratuita, que funciona em parceria com a Prefeitura de Santos. “Antes se enxergava o skate como estilo de vida, hoje o perfil do atleta é outro, é o alto rendimento. A família não vê mais como um esporte marginalizado; pelo contrário, o jovem atleta hoje até começa a auxiliar na renda familiar através do skate”, finaliza.

Galeria de Fotos

Comentários

Tops da Gazeta