últimas notícias
Sala de aula da Escola Estadual Professor Milton da Silva Rodrigues, em São Paulo
Sala de aula da Escola Estadual Professor Milton da Silva Rodrigues, em São Paulo
Foto: Rubens Cavallari/Folhapress

Apenas 24% das escolas estaduais estão aptas a receber 100% dos alunos

Governo de SP estipulou retorno presencial obrigatório a partir da próxima segunda-feira (18); na prática, porém, regra só deverá ser cumprida em novembro, quando não será mais exigido o distanciamento entre os estudantes

Na quarta-feira (13), o governo de São Paulo estipulou o retorno obrigatório para todos os alunos de escolas estaduais a partir de segunda-feira (18).

Na próxima segunda-feira (18) apenas 1.251 das 5.130 escolas estaduais de São Paulo receberão 100% dos alunos. Somente as 1.251 escolas conseguirão garantir o distanciamento de 1 metro. 

O número representa 24% do total de escolas. 

A partir do dia 3 de novembro as aulas presenciais serão obrigatórias em todas as escolas.

Para as escolas particulares, o Conselho de Educação deverá se adaptar e apresentar prazos, pois a exigência também vale para elas.

As escolas municipais, cada prefeitura tem autonomia para decidir. Em cidades pequenas, que não têm Conselho de Educação, deverão seguir a determinação do estado.

No interior do estado, Ribeirão Preto manterá o esquema híbrido até o final do mês. 

O secretário estadual da Educação, Rossieli Soares, durante coletiva de impressa afirmou que o distanciamento social deverá ser mantido até dia 3 de novembro.

 

"Começamos com a obrigatoriedade dos estudantes já na segunda-feira. O Conselho vai deliberar sobre o prazo para as escolas privadas. Vai ter um prazo em que a escola privada poderá se adaptar à regra. Para as redes municipais, deverá ser observada a regra de cada conselho", disse o secretário.

O secretário sinaliza que, os estudantes só deixarão de frequentar as escolas apresentando justificativa médica, ou aqueles que fazem parte do grupo de exceções, sendo eles: 

  • Gestantes e puérperas
  • Comorbidades com idade a partir de 12 anos que não tenham completado ciclo vacinal contra a Covid
  • Menores de 12 anos que pertencem a grupos de risco para a Covid e ou condição de saúde de maior fragilidade

A gestão estadual já tinha reduzido o distanciamento de 1,5 metro para 1 metro, em agosto.

O uso de máscaras continua obrigatório para estudantes e funcionários, assim como a utilização de álcool gel nos equipamentos escolares e equipamentos de proteção individual, por parte de professores e demais funcionários.

No início de agosto, o governo estadual liberou as aulas 100% presenciais, respeitando os protocolos sanitários, algumas unidades escolares precisou realizar revezamento de alunos. 

Apesar da liberação, o retorno presencial ainda era optativo, cabendo aos pais escolherem os filhos frequentarem as aulas presenciais na escola ou não. 

SINDICATO

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do estado de São Paulo (Apeoesp) considera a medida perigosa e desnecessária. 

Segundo a avaliação realizada pela Apeosp, as escolas não tem estrutura para cumprir os protocolos de segurança contra Covid. 

 

Galeria de Fotos

Comentários

Tops da Gazeta