últimas notícias
Cidade de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, conta com pelo menos 4 importantes piscinões
Cidade de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, conta com pelo menos 4 importantes piscinões
Foto: Thiago Neme/Gazeta de S.Paulo

Mesmo com piscinões, Grande SP sofre com alagamentos

No mês passado, os moradores do Jardim Leme e Clementino, em Taboão da Serra, foram atingidos pelo transbordamento do córrego Pirajuçara

Todos os anos junto com o verão chegam as tempestades e, com elas, o medo de parte da população na região metropolitana de São Paulo que mora perto de rios e córregos. No mês passado, os moradores do Jardim Leme e Clementino, em Taboão da Serra, foram atingidos pelo transbordamento do córrego Pirajuçara.

Não é de hoje que a região alaga. A cidade é cortada pelos córregos Poá e Pirajuçara e tem sua história marcada por inúmeras enchentes, que só foram diminuir com a canalização dos rios e a construção de ao menos quatro importantes piscinões: Piscinão TPI-4, localizado no córrego Joaquim Cachoeira, na altura do Parque Pinheiros (CSU), Piscinão TPI-2, localizado no córrego Pirajuçara, Córrego Poá e Piscinão Cedrolândia. Esse último fica na região central da cidade e recebe boa parte do fluxo de águas dos outros piscinões, principalmente o do Pirajuçara.

Leia mais:

Sabesp trata só metade do esgoto em Taboão e Embu

Onze vias de Taboão da Serra passam por obras de recapeamento

Em janeiro deste ano, após o transbordamento do córrego do Jardim Leme, o secretário de manutenção de Taboão da Serra, Eduardo Nóbrega, disse que o piscinão do Jardim Silvio Sampaio, que atende a região, estava com muito lixo. “Somente nesta semana nós tiramos 500 toneladas de entulho e lixo da cidade, temos 41 pontos viciados de descarte. Precisamos ter a consciência que isso prejudica muito e ajuda a causar enchentes na nossa cidade”.

Ainda na época, Nóbrega complementou dizendo que a prefeitura não tem autorização do governo do Estado para limpar o córrego Pirajuçara.

A Prefeitura de Taboão da Serra e a de Embu das Artes informaram à Gazeta que solicitam ao Governo do Estado de São Paulo, por meio do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), a limpeza dos córregos e piscinões da região. Além disso, as Administrações reforçaram que quando possível realizam um trabalho de desassoreamento dos córregos.

O serviço de desassoreamento é uma ação que retira os resíduos que se acumulam no fundo dos córregos. Esses resíduos quando acumulados, prejudicam a circulação e a vazão da água e causam os transbordamentos.

A reportagem também procurou o DAEE, que em nota disse que “reforçando o plano de ações para o período chuvoso, o DAEE está investindo R$ 37,8 milhões nos serviços de limpeza, desassoreamento e manutenção dos 24 piscinões localizados nas Bacias do Alto Tamanduateí, Pirajuçara e Ribeirão Vermelho. Na bacia Pirajuçara, o DAEE realiza os trabalhos em 3 piscinões: Nova República, em Embu das Artes; e o Parque Pinheiros e Portuguesinha, ambos em Taboão da Serra. Os serviços são realizados de forma contínua e somente em 2020 foram removidos mais de 220 mil m³ de sedimentos, sendo 9.718 m³ nos reservatórios da bacia do Pirajuçara, mantendo-os em plena capacidade para absorver as águas das chuvas”.

Ainda segundo o departamento, atualmente “está sendo realizada a limpeza do reservatório Nova República e estão programadas limpezas nos piscinões do Parque Pinheiros e Portuguesinha em Taboão da Serra”.

Galeria de Fotos

Comentários

Tops da Gazeta