Publicidade

X

Capital

Sem contrato de limpeza, diretoria de escola estadual lava vasos sanitários

Bruno Hoffmann

Publicado em 29/03/2019 às 01:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Ao menos 40 escolas estaduais das zonas norte e leste de São Paulo estão sem serviços de limpeza profissional há duas semanas depois que a empresa responsável fechou as portas abruptamente, deixando os trabalhadores sem receber salários e benefícios. O governo do estado ainda procura a prestadora de serviços, cujo desaparecimento afeta centenas de alunos.

O número de escolas pode ser maior que 60 caso todas que fazem parte da circunscrição do contrato com a empresa Teg Serviços de Apoio, Conservação e Limpeza estejam sendo afetadas. A gestão João Doria (PSDB) não respondeu a diversas solicitações da "Folha" sobre o número preciso de instituições prejudicadas.

Professores, funcionários, alunos e voluntários têm cuidado do asseio dos locais. Com vassouras, sacos de lixo, escovas e baldes, eles têm esvaziado lixeiras, lavado corredores e escovado vasos sanitários, entre outras atividades. Eles têm feito as tarefas antes e depois das aulas, e também nos intervalos. Os educadores têm encurtado seus horários de almoço para fazer a faxina.

Em escolas de ensino fundamental nas regiões, os educadores repartem entre si as tarefas, deixando livres os alunos, considerados ainda muito jovens para ajudar.

Temendo represálias das diretorias de ensino, professores e funcionários aceitaram conversar com a reportagem somente sob anonimato. Eles relataram que atividades mais pesadas, como a limpeza de vidros, feita dia sim, dia não pelos funcionários de limpeza, foram abandonadas.

Limpar os toaletes tem sido a parte mais penosa da rotina, já que eles são constantemente sujos pela utilização dos alunos. Em uma das escolas, a diretoria tomou para si a responsabilidade de escovar os vasos sanitários.

"Ninguém quer entrar no banheiro, está sujo. Ontem eu fui lá com uma amiga e tinha um bicho na pia e também uma luva. Ninguém dá descarga", diz Emily, 7, aluna da escola Província de Nagasaki, na zona norte, acompanhada da prima, a confeiteira Isabela Conceição, 20.

Algumas funcionárias de limpeza cujos filhos estudam nas escolas têm comparecido para ajudar voluntariamente. Outras fecharam acordos individuais e pontuais com diretores das escolas para auxiliarem no trabalho.

Em todas as escolas é consenso que o resultado final tem ficado aquém do que era apresentado pelos funcionários especializados, naturalmente, já que eles dedicavam todo o tempo à conservação dos espaços. (Guilherme Seto/Folhapress)

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ÁGUA NA BOCA

Não sabe qual sobremesa fazer na Páscoa? confira 4 receitas fáceis de fazer

Cozinheiro deu 4 dicas de receitas de sobremesas para fazer no domingo de Páscoa; confira nesta reportagem da Gazeta

HISTÓRIAS E BIOGRAFIA

Ana Hickmann, 43 anos: Conheça história e polêmicas da apresentadora

Apresentadora, modelo e empresária de sucesso; Ana Hickmann tem uma carreira repleta de curiosidades

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter