X

Eleição Presidencial

Sem saída

Estatal vai monopolizar a exploração e o refino do petróleo e fazer do Brasil um player importante no mercado mundial

HERÓDOTO BARBEIRO

Publicado em 19/03/2024 às 20:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Refinaria de Pasadena da Petrobras / Divulgação/Agência Petrobras

A popularidade do governo está derretendo. A lua de mel entre vencedor da eleição presidencial e a população dura apenas cem dias. Daí para frente, o presidente e seus ministros devem mostrar a que vieram. O que a população espera é que o atual governo torne a vida mais fácil e barata do que foi no passado. Para isso é necessário uma política de austeridade econômica que o presidente não está a fim de bancar, pois pode atingir a sua popularidade. Prefere mergulhar em grandes projetos que possam mobilizar a opinião pública a seu favor. Um deles é acabar de uma vez por todas com a variação dos preços dos combustíveis. Na alta, impacta diretamente o preço dos alimentos e dos transportes públicos nas cidades. O Brasil vive do faturamento internacional em dólar graças ao agronegócio, principalmente a exportação de café para Europa e Estados Unidos. A estatal sonhada por ele vai monopolizar a exploração e o refino do petróleo e fazer do Brasil um player importante no mercado mundial. Grupos privados são contrários à ideia e a crítica mais frequente é que ele quer ter mais um local para estacionar os seus aliados políticos.

Siga as notícias da Gazeta de S.Paulo no Google Notícias

Leia Também

• Na corda bamba

• O valor de cada um

• Parem as máquinas!

A oposição se desdobra para desgastar principalmente o presidente. Afinal, ele é um líder popular testado em governos anteriores e o seu índice de aprovação sempre foi alto. O governo, ao se autointitular nacionalista, bate de frente com setores da burguesia industrial do país que representa o capital internacional investido no Brasil, inclusive em serviços essenciais, como energia elétrica, telefonia, bancos, comunicação, mineração, petróleo e transporte marítimo internacional. A esquerda o apoia porque entende que é um momento decisivo para brecar a influência do capital estrangeiro no Brasil e fortalecer um embate contra os Estados Unidos, acusado pelos líderes sindicais e políticos de praticar o imperialismo. O retrato político do momento é que há um embate ideológico entre esquerda e direita e isso contamina as instituições públicas e privadas. Há quem tema pelo pior, que o governo se coloque contra as cordas e fique sem saída política.

O presidente está cercado de todos os lados. Não tem o conforto que tinha quando governou o país. A bandeira nacionalista de intervenção do Estado na economia, a criação de  empresas estatais e o decreto de aumento do salário-mínimo esbarraram na oposição liberal. O setor industrial apoia abertamente a oposição. Os partidos conservadores no Congresso se unem e passam a acusar o governo de corrupto. Só um jornal da capital da República defende o governo, os demais o atacam diariamente. A Última Hora é suspeita de ter se locupletado de financiamento estatal e por isso está ao lado de Getúlio Vargas. A bandeira do nacionalismo econômico levantada por ele tem o apoio dos sindicatos e por isso é acusado de querer instalar nova ditadura, como a que ele liderou de 1937 a 1945. Há uma grave polarização política entre esquerda e direita e o acirramento da disputa se aprofunda. O grupo do palácio presidencial é acusado de um atentado contra o líder opositor Carlos Lacerda, o que deixa morto o major Vaz, da Aeronáutica. Esta exige que Vargas e seu irmão sejam levados para interrogatório na base aérea do Galeão. O Exército, que no passado tanto o apoiou, está dividido. O vice, Café Filho, propõe que ambos peçam afastamento. Vargas diz que só sai do palácio morto. Admite que há um lamaçal de corrupção sob o palácio do governo e que envolve a própria família do presidente e seu filho. Vargas pede para um assessor escrever uma carta testamento e se suicida em 1954.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

*Heródoto Barbeiro é jornalista da R7 e Novabrasil às 7h30min (89.7), além de autor de vários livros de sucesso, tanto destinados ao ensino de História, como para as áreas de jornalismo, mídia training e budismo. Apresentou o Roda Viva da TV Cultura e o Jornal da CBN. Mestre em História pela USP e inscrito na OAB. Acompanhe-o por seu canal no YouTube “Por dentro da Máquina”, clicando no link https://www.youtube.com/channel/UCAhPaippPycI3E1ZRdLc4sg

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Saidinhas

Congresso rejeita veto de Lula e proíbe 'saidinhas' de presos

Lula tentou manter uma lista mais ampla de possibilidades para as saídas temporárias

Fake Agents

Jogador Paolo Guerrero leva golpe de R$ 2 milhões e PF investiga

Paolo Guerrero, ex-jogador do Corinthians, foi vítima em 2022 de um esquema que fraudava saques

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter