Publicidade

X
FUTEBOL PARA TODOS

Richarlyson revela bissexualidade e comenta preconceito no futebol

Em entrevista ao ge, o ex-atleta multicampeão contou como a homofobia o perseguiu durante a carreira inteira, e falou abertamente sobre sua sexualidade

Publicidade

Ex-atleta e hoje comentarista do grupo Globo, Richarlyson sofreu com o preconceito durante toda sua carreira / Reprodução RecordTV

Em duas horas e meia de entrevista concedida ao ge, o ex-atleta multicampeão além de contar como o preconceito o perseguiu durante a carreira inteira, concedeu um relato inédito: Richarlyson, aos 39 anos, se sentiu à vontade para revelar, pela primeira vez, sua bissexualidade. Ele é o primeiro jogador a ter atuado na série A a se assumir bissexual em toda a história.

- A vida inteira me perguntaram se sou gay. Eu já me relacionei com homem e já me relacionei com mulher também. Só que aí eu falo hoje aqui e daqui a pouco estará estampada a notícia: "Richarlyson é bissexual". E o meme já vem pronto. Dirão: "Nossa, mas jura? Eu nem imaginava". Cara, eu sou normal, eu tenho vontades e desejos. Já namorei homem, já namorei mulher, mas e aí? Vai fazer o quê? Nada. Vai pintar uma manchete que o Richarlyson falou em um podcast que é bissexual. Legal. E aí vai chover de reportagens, e o mais importante, que é pauta, não vai mudar, que é a questão da homofobia. Infelizmente, o mundo não está preparado para ter essa discussão e lidar com naturalidade com isso - afirmou Richarlyson.

A declaração surgiu com mais de uma hora de conversa. Richarlyson não foi perguntado diretamente sobre sua sexualidade, como aconteceu diversas vezes em quase 20 anos de carreira como jogador profissional. A decisão de falar surgiu de forma espontânea.

- Pelo tanto de pessoas que falam que é importante meu posicionamento, hoje eu resolvi falar: sou bissexual. Se era isso que faltava, ok. Pronto. Agora eu quero ver se realmente vai melhorar, porque é esse o meu questionamento.

-Você me entende por que eu acho que é desnecessário às vezes você se rotular? Tem uma questão mais importante, tem gente morrendo, o Brasil é o país que mais mata homossexuais. E a gente está aqui falando de futebol, ok, mas o futebol é um negocinho pequeno. Ah, mas sua fala pode ajudar. Não, não vai ajudar. Quem é Richarlyson, pelo amor de Deus?! Sou um mero cidadão comum, que teve uma história bacana no futebol, mas eu não vou poder mover montanhas para que acabem esses crimes, para que acabe a homofobia no futebol - disse o ex-jogador.

- Eu não queria ser pautado por causa da minha sexualidade, de eu ser bissexual. Eu queria que as pessoas me vissem como espelho por tudo aquilo que conquistei dentro do meu trabalho. Eu nunca coloquei a minha sexualidade à frente do meu trabalho, e nunca faria isso. E eu não estou falando isso agora porque parei de jogar. Muita gente maldosa vai falar isso, que eu falei agora porque não jogo mais. Não. Eu nunca falei porque não era a minha prioridade, como não era hoje, mas hoje eu me senti à vontade de falar. Eu queria que não existisse essa pauta. Eu queria estar falando aqui da minha nova carreira (comentarista). Mas é importante. Vamos poder alertar um ali, outro aqui.

Richarlyson talvez tenha sido o esportista que mais sofreu pressão na carreira sem precisar tocar na bola, mesmo sendo um jogador com uma coleção invejável de títulos - uma Copa São Paulo, três estaduais, três Brasileiros consecutivos, duas Libertadores e um Mundial. Ainda assim, jamais foi alçado à posição de ídolo por boa parte de torcedores.

Na passagem pelo São Paulo, onde viveu o melhor momento da carreira, chegou a ser ignorado pela própria torcida no momento em que ela gritava um a um os nomes da escalação. Recentemente, em meados de 2021, o atleta finalmente teve seu grande desempenho reconhecido no clube do Morumbi: Richarlyson entrou para a calçada da fama dos maiores ídolos da história do clube - com alguns meses de atraso - e se emocionou com a mais do que merecida homenagem.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

MESMO COM JORNADA REDUZIDA

STF proíbe que servidor ganhe menos de um salário mínimo

Recurso analisado pelo Supremo foi apresentado por quatro servidoras gaúchas que cumprem jornada de 20 horas semanais

SAÚDE

Covid-19: São Paulo libera quarta dose para toda população adulta

Mais de 900 mil pessoas estão aptas a receber nova dose

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software