Publicidade

X

DIA DO AUTISMO

Autismo: o que é e como reconhecer os sinais; entenda

O Transtorno do Espectro Autista traz diversas dificuldades para a vida de quem o possui. Por isso, o diagnóstico precoce é importante; saiba como reconhecer os sinais

Nathalia Fruchi

Publicado em 02/04/2024 às 18:35

Atualizado em 08/04/2024 às 17:19

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Dificuldades de manter contato visual e interação social pode ser um sinal de autismo / Freepik

O Dia da Conscientização do Autismo é comemorado em 2 de abril. Em razão disso, a Gazeta conversou com a Neuropsicopedagoga e psicóloga especialista em Análise Comportamental Aplicada (ABA), Aline Avellar que esclareceu o que é o autismo e como você pode reconhecer os sinais. Veja abaixo:

Siga as notícias da Gazeta de S.Paulo no Google Notícias

Leia Também

• Autismo em mulher: o que muda e como reconhecer

O que é o autismo?

A neuropsicopedagoga explica que o autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento caracterizado por alterações na comunicação social e pela presença de interesses restritos, comportamentos repetitivos e estereotipados.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Principais sinais do autismo

Para a psicóloga, os principais sinais que devem ser observados por pais, cuidadores e professores são: 

  • Dificuldades de manter contato visual;
  • Dificuldade em manter interação social;
  • Não atendem quando são chamados;
  • Atenção não compartilhada;
  • Dificuldades em transições e
  • Quebra de rotina.

A especialista pontua que é importante reconhecer sinais do Transtorno do Espectro Autista (TEA) o quanto antes para uma intervenção mais eficaz.

Tanto os pais, quanto cuidadores precisam ficar atentos às fases de desenvolvimento humano para identificar se há atrasos ou não.

Diferenças entre os sinais de autismo em crianças e em adultos

No geral, a neuropsicopedagoga esclarece que o autismo, indiferente da idade, possui déficits para demonstrarem emoções.

Por isso, quando falamos de relações sociais, os autistas tendem a ficar prejudicados caso não haja uma intervenção rápida e segura.

Aline Avellar explica que o impacto do autismo acarreta sérios problemas. "Algumas pessoas portadoras de transtornos podem se sentir sobrecarregadas com excesso de estímulos sensoriais, outros regulam suas emoções buscando mais informações no ambiente”, pontua a psicóloga.

Além disso, ela alerta que o autista pode apresentar dificuldades para compreender e expressar gestos, emoções e mensagens não verbais.

"Quem tem esse transtorno encontra barreiras e dificuldades para estabelecer amizades, para se expressar e demonstrar sentimentos", pontuou.

Os sinais de autismo em adulto

Em adultos há a dificuldade no reconhecimento de sinais, principalmente, no nível 1 de suporte.

Entre os sinais mais comuns em adultos estão:

  • Dificuldades de interpretar linguagem não verbais, como expressões faciais (olhar, gestos);
  • Pouca aptidão em compreender ironias;
  • Rigidez na rotina;
  • Ansiedade;
  • Contato físico com déficits acentuados;
  • Irritabilidade;
  • Incômodo com contato visual prolongado;
  • Baixa tolerância a barulhos;
  • Ambientes agitados;
  • Incômodo com muita iluminação;
  • Metáforas ou 
  • Mensagens com duplo sentido.

Os sinais de autismo em crianças

A especialista pontua que as crianças portadoras de autismo apresentam os seguintes sinais: 

  • Preferem brincar sozinhas;
  • Menos interesse em estar com outras crianças, podendo até ficar irritada e agressivas  com outras criança ao participar em atividades coletivas e
  • Apresentam interesse incomum e excessivo em atividades, por objetos, brinquedos e outros.

Importância do diagnóstico

Aline Avellar explica que o diagnóstico precoce de autismo melhora o desenvolvimento geral da pessoa com transtorno e pode ajudar no processo de aprendizado de novas habilidades.

"A abordagem do diagnóstico também precisa ser feita de maneira empática com a famílias e cuidadores. O processo de investigação, o laudo médico, as estratégias de intervenção e monitoramento são o que todo especialista precisa ter para uma intervenção segura e eficaz”, finaliza ela.

*Texto sob supervisão de Suzana Rodrigues.
 

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

TENTATIVA DE FEMINICÍDIO

Homem queima namorada após discussão no interior de SP

Vítima está com estado de saúde instável; homem foi preso e caso segue em investigação

TRANSFOBIA NA ZONA SUL

Homem que disparou e matou mulher trans é procurado em SP

Polícia trabalha com a hipótese de transfobia; o caso foi registrado como homicídio e tentativa de homicídio no 47º Distrito Policial

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter