Publicidade

X

TRATAMENTOS DO TEA

Qual o melhor tratamento para quem tem autismo? Psicólogo explica

Psicólogo afirma que autistas podem fazer certos tratamentos para médicas para melhor qualidade de vida

Nathalia Fruchi

Publicado em 02/04/2024 às 10:41

Atualizado em 02/04/2024 às 17:17

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

Hoje pessoas com Autismo podem contar com divesos tipos de tratamentos / Roberto Suguino/Agência Senado

Com o Dia do Autismo, o debate sobre qual o tratamento para as pessoas com Tanstorno do Espectro Autista (TEA), ou seja, pessoas com autismo também cresce.

Pensando nisso, a Gazeta conversou com o psicólogo na Universidade Guarulhos (UNG) Alexsandro Brito dos Santos, que explicou os melhores e principais tratamentos disponíveis após a descoberta do diagnóstico. Ele trouxe também como isso ajuda na qualidade de vida de pessoas com autismo. Veja abaixo:

Tratamento mais eficazes disponíveis no Brasil

Para um tratamento eficaz e seguro é indicado que seja feito com uma equipe multidisciplinar ou transdisciplinar, composta por profissionais da saúde que indicam terapias específicas para cada indivíduo de acordo com o nível de suporte, as quais muitas vezes devem ser feitas por toda vida.

O plano de tratamento deve ser multidisciplinar, ou seja, ele envolve médicos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, pedagogos e professores.

Intervenção do fonoaudiólogo

Uma das intervenções mais comuns, quando se fala em autismo, é a realizada pelos profissionais da fonoaudiologia, visto que, entre as limitações típicas do autista, destacam-se os problemas de interação social.

Dessa forma, através de terapias, os fonoaudiólogos têm o intuito de melhorar o desenvolvimento das aptidões para comunicação oral, escrita, voz, audição e equilíbrio.

Intervenção do terapeuta ocupacional

Outra área da saúde que é bastante requisitada quando se fala de autismo é a Terapia Ocupacional (TO), pois os profissionais dessa área se preocupam em promover a saúde para pessoas que possuem algum problema sensorial, motor e físico.

Os terapeutas ocupacionais utilizam métodos e terapias que estimulam o aprimoramento de habilidades motoras, pois dependendo do grau do autismo, essas habilidades podem estar comprometidas.

Desse modo, é importante que a terapia seja feita desde cedo, respeitando a singularidade e as necessidades de cada indivíduo e oferecendo meios que estimulem uma maior autonomia e adaptabilidade no cotidiano.

Terapia comportamental (ABA)

As terapias que se baseiam nos princípios da Análise do Comportamento Aplicada (ABA), possuem um maior índice de indicação por parte da Organização Mundial da Saúde (OMS), não só para pessoas com autismo, como também para indivíduos que possuem algum transtorno ou desenvolvimento atípico.

Essas terapias têm se mostrado eficazes quando aplicadas ao TEA, uma vez que, por serem baseadas em evidências elas favorecem o desenvolvimento de aptidões e reduzem os prejuízos advindos da condição causada pelo autismo. 

Acompanhamento pedagógico

Por meio da lei 12.764/12 (conhecida como Lei Berenice Piana), os alunos com autismo têm direito à educação, bem como podem dispor de um acompanhante pedagógico especializado fornecido pela própria escola.

Nesse sentido, o acompanhamento pedagógico é essencial para permitir que cada pessoa tenha suas individualidades e necessidades respeitadas, visto que não existe um único padrão para lidar com todos os autistas, pois cada um deve ser enxergado como ser singular.

Além disso, esse acompanhamento serve, dentre outras coisas, para observar de perto e de forma individualizada o desempenho de cada aluno, no intuito de serem utilizadas das estratégias adequadas ao seu desenvolvimento.

Fisioterapia ou atividade física

A coordenação motora fina e grossa são essenciais para que a criança realize diversas atividades, como se locomover, brincar, escrever, desenhar, manusear objetos, se vestir e cuidar da própria higiene. Logo, a participação de profissionais da fisioterapia e educação física é bastante relevante no atendimento da pessoa com TEA.

Porém, é importante salientar que esses profissionais tenham capacitação e conhecimento sobre o autismo, a fim de promoverem corretamente as melhores estratégias para cada indivíduo.

Outras intervenções para melhorar a qualidade de vida

Alexsandro Brito dos Santos explica que outras terapias podem fazer parte das condutas para pessoas com TEA:

  • Equoterapia: terapia assistida por cavalos; 
  • Gameterapia: uso de videogames em sessões, como alternativa para tornar a terapia mais dinâmica e recreativa;
  • Musicoterapia: técnica que se utiliza da arte e visa estimular a comunicação, expressão e o aprendizado.

Ele finaliza explicando que a terapia proporciona um espaço seguro para explorar questões interpessoais, ensinando habilidades de comunicação e empatia.

*Texto sob supervisão de Suzana Rodrigues.
 

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

LOTERIAS

Lotomania, concurso 2.608: prêmio acumulou e vai a R$ 2 milhões

A aposta é unica e custa R$ 3 e pode ser realizada também pela internet, até as 19h

OUTONO

Fim de semana em São Paulo será marcado por pancadas de chuva

No fim de semana a Capital terá dias quentes mas com pancadas de chuva; máxima de 28°C e mínima de 19°C

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter