X

ENTENDA O AUTISMO

Níveis de suporte do autismo: entenda quais são

O autismo é um transtorno do neurodesenvolvimento que é dividido em três graus

Nathalia Fruchi

Publicado em 02/04/2024 às 09:15

Atualizado em 02/04/2024 às 17:18

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Publicidade

O autismo é dividido em três graus; entenda cada um deles / Freepik

Há uma polêmica recente na internet a respeito de suporte de autismo, isso porque dependendo do grau do autismo, maior o suporte que a pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA) vai precisar.

Siga as notícias da Gazeta de S.Paulo no Google Notícias

Por isso a Gazeta conversou com a neuropediatra Maria Regina do Prontobaby – Hospital da Criança, que explicou como os níveis de autismo são definidos, quais são eles e os desafios enfrentados por pessoas autistas. Confira abaixo: 

Como os Níveis de Suporte do Autismo são definidos?

O Transtorno do Espectro Autista é um transtorno do neurodesenvolvimento. Pode atingir todas as áreas do desenvolvimento da criança, como as áreas de motor fino, motor amplo, cognitivo, comportamental.

Faça parte do grupo da Gazeta no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Essas áreas mais envolvidas são as áreas da linguagem e da comunicação. O nível de suporte significará o quanto apoio aquela criança vai precisar para conseguir ter uma comunicação efetiva, algum desenvolvimento pedagógico, como ela vai ser no futuro.

Autismo nível 1 de suporte

O autista de grau 1 segundo a neuropediatra é uma pessoa que necessita de um suporte como terapia, e às vezes uma mediação escolar. Dentre as características estão:

  • Ela se comunica bem mesmo com dificuldade 
  • Dificuldade para entender uma piada, mas se você explicar ela vai entender. 

Isso ocorre porque o autista é muito rígido naquilo que se diz em relação à linguagem. Um exemplo clássico é usar figuras de linguagem para se expressar como a famosa frase “fome de um elefante”. 

Se você fala que está com fome de um elefante, ele vai pensar em um elefante, no animal. Ele não vai entender que você está falando porque um elefante é uma coisa grande e a sua fome está grande. Ele entende tudo no sentido muito literal das coisas. 

A psicóloga reforça que se a pessoa com TEA tiver o devido acompanhamento  multidisciplinar desenhado em cada caso, a pessoa com grau de autismo 1 pode viver tranquilamente e não têm deficiência intelectual. 

Autismo nível 2 de suporte

O nível 2 de suporte é uma pessoa um pouco mais grave assim como grau um, é indispensável que essas pessoas sejam acompanhadas por uma equipe multidisciplinar para melhorar a qualidade de vida. Visto que durante a vida elas possam adquirir:

  1. Alguma independência para seus hábitos de vida diária
  2. Linguagem limitada
  3. Algum nível de deficiência intelectual ou 
  4. Não consiga gerar recursos suficientes para sua subsistência no futuro. 

Autismo nível 3 de suporte

O grau 3 de suporte é aquela pessoa que também vai precisar de terapias e acompanhamento multidisciplinar. Visto que pessoas com esse grau apresentam ajuda para atividades básicas da vida diária como;

  • Higiene
  • Alimentação
  • Às vezes locomoção 
  • Linguagem ausente ou precária
  • Algum nível de deficiência intelectual de moderado a grave.

Essa é a pessoa que dificilmente vai ser funcional sozinha, independentemente para a sua vida do dia a dia. 

Estereótipos por trás do grau 1

A médica Maria Regina explica que a um estereótipo que o grau 1 de suporte seja leve, fácil de se lidar, por isso a comunidade médica mudou esse nome para grau. A neuropediatra esclarece que o entendimento e acompanhamento multiciplinar é importante indiferente do grau, visto que as seguintes medidas medicas podem melhorar de qualidade de vida do autismo:

  • Terapias
  • Planejamento das consultas e
  • Os planos de saúde entenderem quanto essas crianças precisam de terapia intensiva. 

É importante reforçar que não é que o grau 1 vai precisar de menos terapia, muito pelo contrário, quanto mais terapia ele tiver, melhor ele pode ficar, porque o potencial dele é maior.

Desafios na inclusão social

Maria Regina afirma que não se pode ter esperar que uma pessoa de grau de autismo 3 atinja o mesmo sucesso do grau 1. Visto que a condições de frequentar a escola e se desenvolver profissionalmente é maior para as pessoas que têm grau de autismo nível 1 do que um nível 2 ou 3.

A maioria deles terá que ter um mediador  na vida acadêmica, que ajudará na criação de objetivos para essa criança se desenvolver em um ritmo que para crianças sem o TEA que não podem ser os mesmos do ano que ela está cursando. 

Por isso existe uma coisa muito importante chamada plano educacional individual, que é o plano que cada criança incluída tem que ter, que são: os seus objetivos, os seus talentos, as suas dificuldades, tudo planejado para ter metas para ela.

“Incluir não é só colocar a criança dentro da escola regular e dizer que ela está incluída. Isso não é inclusão. Inclusão é uma coisa muito mais profunda do que isso. É você ter objetivos reais para aquela criança. É você acreditar que aquela criança é capaz de um monte de coisas se você conseguir adequar a forma de chegada a ela. Daí é tão necessária a presença do mediador, principalmente para os graus 2 e 3 de suporte.” sinaliza a profissional

Conscientização como forma de inclusão

A médica finaliza dizendo que a sociedade tem que entender que daqui a uma geração, a gente vai ter pessoas com diagnóstico e essas pessoas vão estar trabalhando.

“Seu médico pode ser autista, seu fisioterapeuta pode ser autista, o gerente do seu banco pode ser autista. O autista grau 1 de suporte, principalmente com bom potencial cognitivo, pode ser o que ele quiser. Mas a sociedade vai ter que entender que ele tem um diagnóstico, porque essas pessoas existem, só que elas não tinham diagnóstico”, finaliza ela.

*Texto sob supervisão de Suzana Rodrigues.
 

Apoie a Gazeta de S. Paulo
A sua ajuda é fundamental para nós da Gazeta de S. Paulo. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós da Gazeta de S. Paulo temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para a Gazeta de S. Paulo continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ATENÇÃO MOTORISTAS

Perdeu a placa do veículo? veja o passo a passo do Detran-SP para emitir uma nova

Só é permitida a emissão de uma nova placa se o veículo estiver devidamente licenciado, com todas as taxas em dia e sem multas pendentes

Oportunidade

TRF vai iniciar inscrições de concurso com salários de até R$ 13,9 mil; veja cidades

Ao todo, são 263 vagas para os níveis técnico e superior; Inscrições iniciam dia 29 de abril e seguem até o dia 28 de maio

©2021 Gazeta de São Paulo. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software

Newsletter